A saga do diagnóstico de uma doença rara: o que o documentário “Diagnóstico” da Netflix nos ensina



Doenças raras No Brasil, são consideradas doenças raras aquelas que afetam até 65 pessoas em 1000.000, para ser considerada uma doença rara na Europa ela deve afetar 1 a cada 2 mil pessoas e segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS) deve afetar 1,3 a cada 2 mil pessoas.


Acredita - se que haja entre 7 a 10 mil doenças na lista e a grande maioria das doenças raras tem causa genética (80%). No entanto, elas também podem ter origem infecciosa, ambiental ou ter causa desconhecida, aproximadamente 75% das doenças raras afetam crianças. O grande problema hoje dessas doenças é a demora no diagnóstico.

Pesquisas mostram que nos Estados Unidos e na Europa demora cerca de cinco a sete anos para ter um diagnóstico, o que é um grande problema, já que a demora de um diagnóstico, o que atrasa o tratamento, reduzindo a qualidade de vida do paciente ou até mesmo levando ao óbito precoce.


Documentário Diagnóstico


O documentário "Diagnóstico" foi produzido e veiculado pela Netflix, é dividido em 7 episódios e aborda problemas de saúde de oito pessoas, entre crianças, adolescentes e adultos. Todos eles com um ponto em comum: a dificuldade de um diagnóstico preciso por terem uma doença rara. Vamos falar especialmente do quarto episódio denominado “Procurando iguais”.

O episódio citado relata a história de uma menina chamada Kamiyah de 6 anos, que tem “desligamentos” de duração variável, em alta frequência, chegando a 300 episódios ao dia. Este episódio mostra a saga da mãe em busca de um diagnóstico, de uma resposta ou de outras pessoas com condição semelhante. Após anos de investigação é descoberto uma mutação genética; uma variante no gene KCNMA1.

Canalopatias


Em todo nosso corpo existem os canais iônicos que realizam o transporte de membrana nas células e são essenciais para o funcionamento normal do corpo. Quando as atividades destes canais estão alteradas, funções essenciais do corpo podem ser interrompidas ou alteradas. Se há uma doença ou manifestação patológica associada à esses canais o nome dado é de canalopatias, um nome genérico que engloba uma série de doenças raras.


As canalopatias podem ocorrer tanto por mutações genéticas herdadas quanto por mutações que aconteceram naquela pessoa (mutações de novo). Devido aos avanços de estudos genéticos, principalmente do sequenciamento de exoma, muitas canalopatias estão sendo diagnosticadas, porém as manifestações clínicas destas doenças ainda são pouco conhecidas.


A canalopatia que falaremos nesta revisão será a que é ligada a mutação no canal de potássio chamado KCNMA1. A alteração neste canal leva a disfunções neurológicas que incluem convulsões, distúrbios do movimento, atraso de desenvolvimento e deficiência intelectual.

Gene KCNMA1

“O KCNMA1 é um canal iônico de potássio, que controla quanto potássio sai da célula. Esse potássio afeta uma série de processos fisiológicos diferentes, desde como os neurônios do cérebro conversam entre si até como os músculos se contraem” - Dra. Andrea Meredith


O gene KCNMA1 é expresso em várias partes do cérebro humano e também em outros locais do corpo como sistemas muscular, esquelético, endócrino, cardiovascular, digestivo, urinário e reprodutivo, antes de ser descoberta a canalopatia ligada ao KCNMA1 em alguns estudos ele já tinha sido encontrado em casos de bexiga hiperativa, disfunção erétil, hipertensão e contração uterina prematura durante a gestação.

A mutação neste gene pode levar a aumento ou perda de algumas de suas funções o que gera uma gama de manifestações desde leves até muito graves, dependendo da variante que está se manifestando.


Até o momento, 16 mutações KCNMA1 foram identificadas em 37 pacientes que tinham sintomas, 17 pacientes têm mutações de novo, 5 pacientes herdaram uma mutação autossômica recessiva, 13 pacientes (da mesma família) herdaram uma mutação autossômica dominante, 2 pacientes não tiveram o padrão de herança identificado até o momento.


Os mecanismos pelos quais as mutações alteram a atividade dos canais de potássio e causam sintomas nos pacientes ainda não está esclarecido, alguns estudos sugerem que uma alteração na atividade do canal de potássio produz excitação ou inibição no cérebro, o que pode aumentar ou reduzir as taxas de disparo dos neurônios podendo gerar crises convulsivas. Veja abaixo dois modelos de herança possíveis:

<